quarta-feira, 8 de setembro de 2010

CRIME NO CAMPO

Marcos Bengtson, em pé de casaco preto
Foto getilmente cedida por Alex Ribeiro/Diário do Pará

Polícia prende três acusados de morte de integrante do MST no Pará

Entre os presos está Marcos Bengtson, filho do ex-deputado federal Josué Bengtson (PTB)

A polícia prendeu, na tarde de ontem três homens acusados envolvimento no assassinato de José Valmeristo Soares, integrante do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra. Um dos acusados é Marcos Bengtson, filho do pastor e ex-deputado federal Josué Bengtson (PTB). Marcos seria o mandante e os outros dois pistoleiros, apontados como executores do crime, que foi cometido na última sexta, no município de Santa Luzia do Pará.

Os acusados foram presos em Belém e levados para a Delegacia de Repressão ao Crime Organizado (DRCO). A seguir, por volta das 18h, seguiram para a sede da Divisão de Investigações e Operações Especiais (Dioe). Lá, foram ouvidos por José Humberto de Melo Júnior, delegado dos municípios de Viseu e Santa Luzia do Pará. Segundo José Humberto, os três já estavam com mandado de prisão preventiva decretado pela Justiça.

“Já havia mandado de prisão contra eles. Nós temos poucas informações sobre o caso, porque corre em segredo de justiça, para que as investigações atendam o objetivo”, afirmou o delegado.

O advogado de um dos acusados afirmou que ele não tem qualquer envolvimento com o crime. “Não há qualquer tipo de participação dele no crime, até porque a iniciativa de procurar a polícia foi do meu cliente”, afirmou.

Os três permaneceram na Divisão de Operações Especiais até as 20h50. A seguir, eles deixaram a Dioe com os rostos cobertos por camisas. Em dois carros, os acusados foram levados para a realização de exames no Instituto Médico Legal (IML). De lá, um deles, por ter nível superior, seria encaminhado para uma cela no Corpo de Bombeiros. Já os demais iriam para a Penitenciária de Americano.

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), junto com a Pastoral da Terra, da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), informaram em uma coletiva na manhã de hoje, as circunstâncias da morte de José Valmeristo

Soares, conhecido como “Caribé”, trabalhador rural e militante do MST, que teria sido assassinado, em Santa Luzia do Pará, após ser pego em uma emboscada. O movimento diz que José foi morto por assassinos contratados pelo fazendeiro e ex-deputado federal Josué Bengstson (PTB) e pelo filho Marcos Bengtson.

Segundo Ulisses Manacás, coordenador estadual do MST, a motivação seria a série de ocupações na fazenda Cambará, que seria de propriedade de Bengtson. “Nós já ocupamos a fazenda Cambará três vezes, pois ali é área pública. Por isso, fomos ameaçados de morte, o que denunciamos para vários órgãos”.

Manaças diz que o crime foi premeditado. “Os matadores estavam em uma Hilux preta, que segundo João pertenceria ao filho do ex-deputado”. O líder do movimento se refere a João Batista Galdino, que estaria junto com Valmeristo, mas conseguiu fugir dos criminosos e teria chegado à delegacia da cidade para denunciar o crime.

2 comentários:

Richard disse...

Em epoca de eleição alguem mandar matar alguem por conta de terra?! ta me cheirando é armaçao do proprio MST já faz tempo que deixaram de ser sem terra e passaram a ser facção criminosa organiza, sou cineasta e já tenho conhecimento de um bom documentário sobre os reais interesses do MST que está sendo produzido vcs vão ver que essa causa "MST" vai provar por sí só que nao o que parece! aguardem o desfecho dessa historia!

Anônimo disse...

Concordo plenamente com o comentario acima. Tenho certeza que Marcos não seria capaz de cometer um ato desse.

Ocorreu um erro neste gadget