quinta-feira, 31 de maio de 2007

Novela Sudam. Ainda...

18 ACUSADOS TÊM SIGILOS QUEBRADOS E BENS BLOQUEADOS

A Justiça Federal no Pará voltou a tornar indisponíveis os bens de mais 13 pessoas e cinco empresas acusadas de desvios de recursos da extinta Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia (Sudam). Assim, chega a 33 o número de acusados cujos bens tinham sido
desbloqueados em abril e que, em maio, foram novamente decretados
indisponíveis.
Os bens estavam desbloqueados porque o juiz federal Herculano Martins Nacif arquivou ações por improbidade administrativa movidas pelo Ministério Público Federal (MPF). Nacif entendeu que tais ações só valem contra servidores públicos. Em resposta, o procurador da República Marco Antônio Almeida entrou com recursos no Tribunal Regional Federal da 1ª Região e ajuizou ações civis públicas pedindo a devolução das verbas desviadas. No início deste mês, o juiz federal Antonio Carlos Campelo, que na ocasião substituía Nacif, expediu liminares tornando indisponíveis os bens de 12 pessoas e três empresas, decisões idênticas às que Nacif
tomou nas últimas duas semanas, abrangendo mais 18 acusados.
Nas liminares que concedeu, Nacif incluiu a Agência de Desenvolvimento da Amazônia (ADA), sucessora da Sudam, e a União Federal na demanda, na condição de proponentes da ação. Com isso, tanto a autarquia como a União deverão atuar ao lado do MPF em toda a
tramitação processual.
Tiveram os bens bloqueados as empresas Agroindustrial Terra Norte S/A, Agropecuária Pedra Roxa S/A, Agropecuária Santa Efigênia S/A., Agropecuária Vitória Régia S/A. e Indústria Café Ouro Preto S/A., além das seguintes pessoas: Armindo Dociteu Denardin, David Castor De
Abreu, Elvis Antônio Lazarini, Francílio Valdenor de Almeida Pinheiro, Francisco Adailson Nobre Mendonça, Ivete Fernandes de Abreu, José Albano Fernandes Sobrinho, José Mario Lazarini, Laudelino, Délio Fernandes Neto, Luciano Albano Fernandes, Maria Auxiliadora
Barra Martins, Silvane Vieira dos Santos e Silvério Albano Fernandes.
Estão impedidos de movimentar seus bens as empresas Acopel, Agroindustrial Uruará e Propanorte e os seguintes acusados: Alexandre Lazarini Neto, Daniel Nogueira dos Santos, Danny Gutzeit, Érico Fabrício Lazarini, Espólio de Lindolpho Gutzeit, Hildimara Rocha
Santos Gutzeit, José Mário Lazarini, Luiz Dalmo Miranda, Maria Auxiliadora Barra Martins, Pedro Andrade Ribeiro, Porfírio Lazarini, Wagner Rogério Lazarini.
Além dessas ações, o MPF ajuizou uma outra, também cautelar, preparatória para futuro pedido de ressarcimento ao erário. Nesta ação, em que são requeridos a Agroindustrial Nossa Senhora de Fátima S/A, José Tarcísio Sampaio e José Epitácio Lopes Ferreira, Nacif não decretou o bloqueio de bens, mas determinou a quebra dos sigilos bancário e fiscal e autorizou o Ministério Público Federal a apreender, nas instalações da empresa, documentos que venham a servir
de provas. O MPF também poderá ouvir os funcionários das empresas.

Fonte:
Assessoria de Comunicação/Procuradoria da República no Pará
Telefones: (91) 3299-0177 / 3222-1291
(Com informações da Seção de Comunicação Social da Justiça Federal -
Seção Judiciária do Pará)

Nenhum comentário:

Ocorreu um erro neste gadget