segunda-feira, 14 de setembro de 2009

GOLPE NO CRIME AMBIENTAL - CAMINHO SEM VOLTA

Foto: Antônio Cruz/ABr

MPF e Ibama apresentam proposta de regularização ambiental para setor pecuário no Pará

Mutirão para revisão das multas é apresentado como forma de facilitar acordo.

Os pecuaristas paraenses que não estão cumprindo a legislação ambiental ganharam nesta segunda-feira, dia 14 de setembro, uma chance de voltar para a legalidade: o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) se propôs a realizar um mutirão para reavaliar as multas aplicadas ao setor, que considera que os valores cobrados estão muito acima do que prevê a legislação.

A proposta do Ibama, feita com o apoio do Ministério Público Federal (MPF), também estabelece que 90% do valor final das multas revistas poderão ser aplicados no reflorestamento e reparação dos danos ambientais ocorridos.

"Essas propostas só valem para áreas desmatadas até o final de 2006", explica o procurador da República Daniel César Azeredo. "Aqueles que desmataram depois desse ano e que continuam desmatando estarão automaticamente fora do mercado", complementa Azeredo, referindo-se ao fato de que o setor frigorífico comprometeu-se com o MPF a não comprar matéria-prima de fazendas embargadas pelo Ibama ou daquelas em que venham a ocorrer desmatamentos no futuro.

A negociação de acordo com os pecuaristas do Estado é uma solicitação da categoria feita em junho, depois que o MPF e o Ibama deram entrada na Justiça a 20 ações contra grandes fazendas com desmatamento irregular no Pará e contra as empresas que compravam matéria-prima diretamente dessas áreas.

Entre frigoríficos, curtumes e exportadores de gado, 13 empresas já assinaram Termos de Ajuste de Conduta (TACs) com o MPF. Os processos judiciais contra essas empresas foram suspensos enquanto os acordos estiverem sendo cumpridos. Pelos TACs, essas empresas só comprarão matéria-prima de fazendas que também assinarem acordos, mas até esta segunda-feira nenhum pecuarista havia aceitado as propostas do MPF, que, em resumo, está apenas exigindo o cumprimento da legislação ambiental.

Nenhum comentário:

National Geographic POD