segunda-feira, 2 de novembro de 2009

EMISSÃO DE CO2 NA AMAZÔNIA

Medição de emissão de carbono pela Floresta Amazônica será arpimorada

Amanda Mota/ABr

Dados referentes às emissões e ao armazenamento de gás carbônico pela Floresta Amazônica necessitam de mais precisão para que o país possa estabelecer de forma adequada as políticas de proteção ambiental e de valorização florestal e, ainda, conhecer o papel da região no cenário global das mudanças climáticas. A constatação é do pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa) e do Programa de Grande Escala da Biosfera-Atmosfera na Amazônia (LBA), Júlio Tota. Para ele, a atual absorção de carbono pela floresta pode ser inferior à estimativa de grande parte da comunidade científica internacional.

“As atuais medições são feitas como há 50 anos e não consideram todas as variáveis que podem influenciar no resultado sobre estoque e emissão de carbono pela floresta”, explicou o cientista à Agência Brasil.

A constatação de Tota é resultado de quase uma década de pesquisas, em especial nos últimos seis anos, quando acompanhou o monitoramento das trocas gasosas existentes entre a biosfera e a atmosfera na Amazônia, feitas com ajuda de torres micrometeorológicas do Programa LBA. Ainda segundo o pesquisador, a expectativa é que, com a implementação do projeto Atto (sigla em inglês para Torre Alta de Observação da Amazônia) – prevista para 2010 – o Brasil alcance a almejada precisão dos dados sobre o estoque e a emissão de carbono. O projeto prevê a construção e instalação de uma torre com 300 metros de altura na Reserva Biológica do Uatumã, na região da Hidrelétrica de Balbina, a cerca de 150 quilômetros de Manaus.

A estrutura da torre terá sensores para monitorar de forma contínua, por exemplo, as condições meteorológicas e alguns fatores como velocidade do vento e umidade. No local, além da torre principal de 300 metros, haverá outras quatro torres meteorológicas - de cerca de 70 metros cada uma - voltadas para a medição de fluxos menores. As torres vão ajudar o país a tirar conclusões sobre o papel da floresta no processo de aquecimento global.

O projeto ATTO deve custar ao Brasil e à Alemanha cerca de 8,4 milhões de euros. Tudo será realizado por meio de parceria entre os governos do Brasil e da Alemanha, sob coordenação do Inpa e do Instituto Max Planck de Química, do país europeu. O modelo da torre principal (300 metros) está baseado em um similar existente na Sibéria (Rússia). O projeto foi concebido para fornecer dados durante 30 anos.

“O local foi escolhido porque é uma área preservada, com disponibilidade de energia elétrica, mas com todas as características de floresta que precisam ser monitoradas”, acrescentou Tota.

Desde 1994 - quando o Brasil fez o último inventário sobre as emissões de gases de efeito estufa – não se sabe exatamente quanto de gás carbônico é colocado na atmosfera pela floresta. Um novo estudo está sendo feito pelo Ministério da Ciência e Tecnologia, mas somente em 2010 a população deve conhecer as atualizações. Dados da Universidade de São Paulo (USP) apontam que, nos últimos 15 anos, as emissões de gases do efeito estufa no Brasil cresceram cerca de 17%.

“O que queremos verdadeiramente descobrir é como a floresta vai se comportar nos próximos 30 anos. Isso vai nos ajudar a saber com precisão dados sobre a absorção de carbono, por exemplo, e como os serviços ambientais poderão ser praticados a partir desse sistema preservado”, disse Tota.

Nenhum comentário:

Ocorreu um erro neste gadget